A bandeira do kimsey vamos flar de sexo online Brasil foi arrancada e jogada no chão.
Com isso, a veracidade ou não das acusações de assédio não foi e nem será questionada pelos policiais de São Paulo, que apuram apenas as ameaças e o cárcere privado relatadas pela jornalista na capital paulista.
Após a denúncia feita pela jornalista, o delegado Luiz Roberto Hellmeister chegou a dizer que iria pedir a prisão de Talma por sequestro, coação e ameaça (assista abaixo cam x cam sexo gay ao vídeo com entrevista do delegado).
Na segunda-feira (8 o delegado já havia descartado a hipótese de que a jornalista havia sido mantida refém no hotel com base nas imagens.Vivemos a era do suposto.Em, são Paulo, a acusação era a de que Bauer ameaçou a jovem de 22 anos e a manteve em cárcere privado em um quarto do Hotel San Rafael, no Largo do Arouche, no Centro de São Paulo, para obrigá-la a recuar na denúncia.Com base nesses vídeos e em áudios entregues à polícia, o delegado Luís Roberto Hellmeister disse na quarta-feira (10) que vai investigar se viajar pagamento por telefone a jornalista cometeu falsa comunicação de crime e extorsão.De acordo com o deputado Marcos Rogério (DEM-RO no momento em que os manifestantes entraram, o tablet de um parlamentar caiu no chão e o servidor que se abaixou para pegá-lo foi chutado.Imagens fizeram com que polícia passasse a investigar a jornalista.Liberado, bauer foi detido na sexta-feira (5) e liberado horas depois."Eles estão todos loucos.
No sábado, Feliciano publicou na internet um vídeo em que diz que a militante do PSC fez falsa comunicação sobre o assédio.




Em outras palavras, o uso do bom senso.Perfil de Talma Bauer, chefe de gabinete do deputado Marco Feliciano, do PSC (Foto: Reprodução/Facebook).Não estive preso, não tem crime nenhum disse o assessor.Nas outras imagens, feitas em 4 de agosto, a jornalista aparece abraçada a um amigo no sofá na área comum do estabelecimento.Ele acrescentou que perdoa Patrícia Lélis.No áudio, ela conversa com um Bauer e relata o assédio sexual que teria sofrido nas mãos do parlamentar.Segundo o policial, antes do encontro no hotel onde supostamente foi vítima de Bauer, Patrícia foi ao shopping fazer maquiagem e compras e foi para a Avenida Paulista passear com o namorado.Mas isso não dá o direito de divulgar o vídeo expondo os mais íntimos detalhes de seu corpo e de seu parceiro.E aí aparece o segundo detalhe: a solução mais sensata é a adotada pelo jornalista na matéria acima, na qual ele fala do assunto, mas não expõe desnecessariamente as imagens íntimas dos envolvidos.Segundo a Polícia Civil, as imagens derrubam a versão de Patrícia Lelis de que foi feita refém por Talma Bauer, assessor do parlamentar, entre o fim de julho e o começo deste mês ( assista a algumas imagens do circuito interno acima ).
A garota pode até ser oportunista qual o ex-atacante na área e ter cavado uma capa de Playboy como quem busca um pênalti.
A Câmara disse que um policial legislativo e um assessor parlamentar ficaram feridos.



Em, brasília, Lélis acusa Feliciano de tentar estuprá-la e, depois, de tentar comprar seu silêncio.
O esquerdista Chico Alencar (psol-RJ) afirmou que o preocupa o "discurso do autoritarismo, da intervenção militar, que é uma semente do fascismo".


[L_RANDNUM-10-999]